sábado, 31 de janeiro de 2009

Edgar Allan Poe

Poe é alguém que admiro profundamente. Tanto pelo intenso caos da persona quanto pela excelência da produção literária.

O poema "The Raven" é (tido como) sua obra-prima. Mas o que dizer, então, sobre "Filosofia da Composição"?


The Raven - Edgar Allan Poe

Once upon a midnight dreary, while I pondered, weak and weary,
Over many a quaint and curious volume of forgotten lore,
While I nodded, nearly napping, suddenly there came a tapping,
As of some one gently rapping, rapping at my chamber door.
"'Tis some visitor", I muttered, "tapping at my chamber door —
Only this, and nothing more."

Ah, distinctly I remember it was in the bleak December,
And each separate dying ember wrought its ghost upon the floor.
Eagerly I wished the morrow; — vainly I had sought to borrow
From my books surcease of sorrow — sorrow for the lost Lenore —
For the rare and radiant maiden whom the angels name Lenore —
Nameless here for evermore.

And the silken sad uncertain rustling of each purple curtain
Thrilled me — filled me with fantastic terrors never felt before;
So that now, to still the beating of my heart, I stood repeating,
"'Tis some visitor entreating entrance at my chamber door —
Some late visitor entreating entrance at my chamber door; —
This it is, and nothing more."

Presently my soul grew stronger; hesitating then no longer,
"Sir," said I, "or Madam, truly your forgiveness I implore;
But the fact is I was napping, and so gently you came rapping,
And so faintly you came tapping, tapping at my chamber door,
That I scarce was sure I heard you" — here I opened wide the door; —
Darkness there, and nothing more.

Deep into that darkness peering, long I stood there wondering, fearing,
Doubting, dreaming dreams no mortal ever dared to dream before;
But the silence was unbroken, and the stillness gave no token,
And the only word there spoken was the whispered word, "Lenore?"
This I whispered, and an echo murmured back the word, "Lenore!" —
Merely this, and nothing more.

Back into the chamber turning, all my soul within me burning,
Soon again I heard a tapping somewhat louder than before.
"Surely," said I, "surely that is something at my window lattice:
Let me see, then, what thereat is, and this mystery explore —
Let my heart be still a moment and this mystery explore; —
'Tis the wind and nothing more."

Open here I flung the shutter, when, with many a flirt and flutter,
In there stepped a stately raven of the saintly days of yore;
Not the least obeisance made he; not a minute stopped or stayed he;
But, with mien of lord or lady, perched above my chamber door —
Perched upon a bust of Pallas just above my chamber door —
Perched, and sat, and nothing more.

Then this ebony bird beguiling my sad fancy into smiling,
By the grave and stern decorum of the countenance it wore.
"Though thy crest be shorn and shaven, thou," I said, "art sure no craven,
Ghastly grim and ancient raven wandering from the Nightly shore —
Tell me what thy lordly name is on the Night's Plutonian shore!"
Quoth the Raven, "Nevermore."

Much I marveled this ungainly fowl to hear discourse so plainly,
Though its answer little meaning — little relevancy bore;
For we cannot help agreeing that no living human being
Ever yet was blest with seeing bird above his chamber door —
Bird or beast upon the sculptured bust above his chamber door,
With such name as "Nevermore."

But the raven, sitting lonely on the placid bust, spoke only
That one word, as if his soul in that one word he did outpour.
Nothing further then he uttered — not a feather then he fluttered —
Till I scarcely more than muttered, "other friends have flown before —
On the morrow he will leave me, as my hopes have flown before."
Then the bird said, "Nevermore."

Startled at the stillness broken by reply so aptly spoken,
"Doubtless," said I, "what it utters is its only stock and store,
Caught from some unhappy master whom unmerciful Disaster
Followed fast and followed faster till his songs one burden bore —
Till the dirges of his Hope that melancholy burden bore
Of 'Never — nevermore'.

"But the Raven still beguiling all my sad soul into smiling,
Straight I wheeled a cushioned seat in front of bird, and bust and door;
Then upon the velvet sinking, I betook myself to linking
Fancy unto fancy, thinking what this ominous bird of yore —
What this grim, ungainly, ghastly, gaunt and ominous bird of yore
Meant in croaking "Nevermore."

This I sat engaged in guessing, but no syllable expressing
To the fowl whose fiery eyes now burned into my bosom's core;
This and more I sat divining, with my head at ease reclining
On the cushion's velvet lining that the lamplight gloated o'er,
But whose velvet violet lining with the lamplight gloating o'er,
She shall press, ah, nevermore!

Then methought the air grew denser, perfumed from an unseen censer
Swung by Seraphim whose footfalls tinkled on the tufted floor.
"Wretch," I cried, "thy God hath lent thee — by these angels he hath sent thee
Respite — respite and nepenthe, from thy memories of Lenore
Quaff, oh quaff this kind nepenthe and forget this lost Lenore!"
Quoth the Raven, "Nevermore."

"Prophet!" said I, "thing of evil! — prophet still, if bird or devil! —
Whether Tempter sent, or whether tempest tossed thee here ashore,
Desolate yet all undaunted, on this desert land enchanted —
On this home by horror haunted — tell me truly, I implore —
Is there — is there balm in Gilead? — tell me — tell me, I implore!"
Quoth the Raven, "Nevermore."

"Prophet!" said I, "thing of evil — prophet still, if bird or devil!
By that Heaven that bends above us — by that God we both adore —
Tell this soul with sorrow laden if, within the distant Aidenn,
It shall clasp a sainted maiden whom the angels name Lenore —
Clasp a rare and radiant maiden whom the angels name Lenore."
Quoth the Raven, "Nevermore."

"Be that word our sign in parting, bird or fiend," I shrieked, upstarting —
"Get thee back into the tempest and the Night's Plutonian shore!
Leave no black plume as a token of that lie thy soul hath spoken!
Leave my loneliness unbroken! — quit the bust above my door!
Take thy beak from out my heart, and take thy form from off my door!"
Quoth the Raven, "Nevermore."

And the Raven, never flitting, still is sitting, still is sitting
On the pallid bust of Pallas just above my chamber door;
And his eyes have all the seeming of a demon's that is dreaming,
And the lamplight o'er him streaming throws his shadow on the floor;
And my soul from out that shadow that lies floating on the floor
Shall be lifted — nevermore!

A função social do meu blog

Tive um futuro promissor. Claro que só depois de desistir de ser lixeiro, meu sonho aos três anos de idade. A vida inteira me destaquei por gostar de ler, escrever e falar. No 3º ano do Ensino Médio, recebi menção honrosa da Secretaria Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República, quando minha dissertação para o Prêmio Direitos Humanos 1997 foi selecionada pelo CESPE/UnB, entre mais de 600 trabalhos inscritos, e submetida à Comissão de Julgamento.

Todo mundo dizia, à época, que eu deveria fazer Jornalismo. Até parece que eu escolheria o óbvio. Eu sempre gostei do mais difícil. Estudar Ciências Sociais, de longe, foi um prazer. De perto, foi a maior picaretagem. Mas quem foi à minha banca tem certeza que eu fiz por merecer SS em Dissertação. Ou não.

Anos depois de formado, dei ouvido àquela a quem já tinha dado meu coração: Maria Rosa. Resolvi criar um blog para divulgar minhas elocubrações e para escrever. Depois de ficar em desuso de fevereiro até dezembro de 2008, quando o trabalho foi muito e a utopia pouca, esse blog passou a registrar, desde então, minha produção textual para the dog-eat-dog public contest coming soon. De novo, só comecei a estudar porque dei ouvido à parte (quase sempre) racional do relacionamento: minha mulher.

O resultado: depois de ter ficado em 30º lugar nas provas objetivas do simulado d'O Diplomata, instituto de relações internacionais onde me preparo para esse concurso, minhas notas nas redações de português (89) e inglês (90), me renderam a melhor média, entre todos os candidatos, nas duas redações: 179 pontos. Assim, subi de 30º para terceiro colocado. Tive (e tenho) um futuro promissor.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

It is the end of the world as we know it

The severe downturn most countries have faced for the past few months is the worst crisis of capitalism, at least since Great Depression. As the nationalisation of the banking system takes place in virtually the entire Western industrialised world, the greed-is-good mantra of the free-market capitulates.

Neither governments nor the average citizens are aware of how to tackle the financial and economic issues properly, especially in countries in which the downturn is supposed to deepen in 2009.

One may claim that the President-Elect Barack Obama, the first African American who ascended to the White House, will be able to cope with some of the current financial and economic problems. Nevertheless, no changes will come without pressure for them. Aside from the fact that Obama has no previous administrative experience, which may indicate lack of proper knowledge on how to manage to, at least, bail the American economy out of the crisis, created by itself.

Undoubtedly, if one hah such expertise in order to technically predict what near future will be like, we could expect capitalism to thrive once again, sooner or later. Unfortunately, there is no expert willing to take a chance. Once and for all, "it is the end of the world as we know it".


Veneno e antídoto: sei que a essência é a mesma, como suicídio e nascimento, que têm a vida como essência. Sei que a morte depende da vida, do nascimento; mas não necessariamente a vida implica em suicídio.

O suicídio depende, sobretudo, da ação de matar-se, não apenas da vontade. Sei, e todos hão de concordar, que certas situações configuram-se dramaticamente insolucionáveis a ponto de se pensar em uma solução escapista. Mas sei também que a plasticidade e a adaptabilidade do ser humano diluem com tanta facilidade os problemas, principalmente quando percebidos como condicionados, sem exceção, às respectivas soluções, que não diferem-se da capacidade de diluição das inovações, perceptível no mundo moderno.

Diluir antes de digerir tem sido o estigma da modernidade. A "Idade da ciência" compromete-se com o carrasco e a vítima, eu aprendi.

Aprendi a perceber a essência de cada ato. Cada inovação surgindo como complemento. Como produto do meio, espelhava-se a humanidade em modelos. Alcançar os modelos e suas implicações exigia a aquisição de mais e mais produtos ofertados. O consumo institucionalizou-se o referencial da existência humana, determinante que possibilitava o usufruto do que de melhor era produzido para a sociedade.

Em pouco tempo, os homens estavam tão impregnados da necessidade do consumo exacerbado que conflitos surgiriam não só por interesses megalomaníacos de potências mundiais. Cadáveres renderiam pequenas homenagens às necessidades de influência, dominação e poder.

Na humanidade sempre esteve a essência da salvação. Meu Deus, a lucidez que o enclausuramento propicia deve ser dádiva do Seu poder. Só a misericórdia divina poderia iluminar minha razão desigualmente ofuscada pela demência a mim creditada por especialistas e pelo meio em que tenho vivido, ao longo dos últimos onze anos.

Quando fui trancado aqui, lembrava-me de pessoas entusiasmadas, de gente preocupada com o cotidiano. No sanatório, as preocupações são lunáticas. Pacatos ou violentos, mentes e corpos aprisionados têm vida própria. Algo que lhes é tão particular quanto o mais secreto dos pensamentos que preferimos não compartilhar com ninguém.

Sempre fui ambicioso. Antes de tantas sessões de torturas, que talvez pudessem ser chamadas, eufemicamente, choques elétricos, ou de medicamentos que impediam meu cérebro de agir como tal, ainda fora do manicômio, experimentei o prestígio social digno do professor que era.

Fui respeitado como pensador. Minha obra era comentada, discutida e refutada com a mesma ênfase, dada sua magnificência. A vastidão do meu conhecimento levou-me às vanguardas. Estive ligado a movimentos literários e partidos clandestinos, engajado e ativo, lutando.

E lutei. Defendi e ataquei, sobrepujando e sendo atacado por tantos com quem me engalfinhei, em lutas e debates que acabei descobrindo não serem meus. Foi quando fui atacado tanto pelo inimigos de sempre quanto pelos antigos companheiros.

Numa estratégia audaciosa, os partidários da situação, do status quo, e os partidos clandestinos definiram meu destino. O ato que trancou-me onde são trancafiados homens tidos como mazela da humanidade foi o primeiro entendimento de tal natureza entre eles.

Deus, como é notável que, respeitado por todas as minhas realizações, tenha sido reverenciado com o significativo empreendimento que me taxou de louco.

Veneno e antídoto. A formação que remediou minha ignorância e garantiu a dimensão da minha produção intelectual atirou-me nas trevas da insensatez a mim creditada. E a sociedade que racionalizei, parida das lacunas da legislação que a displicência premia, não se opôs em momento algum.

Sei que a partir do momento em que minha liberdade foi cerceada, meu valor subtraído e minha carne dilacerada, tornou-se plena e nítida a impressão de que havia me transformado em produto descartável. Meu lugar na sociedade, ou melhor, nas leis do mercado de consumo que regem a vida em sociedade, diluiu-se com a fúria dos que queriam minha morte.

A mim foram assegurados acompanhamento integral e assistência de qualidade, antídotos, paliativos para minha dita insanidade. A falta efetiva do antídoto poderia tornar-se meu veneno.

E a convivência com tantos loucos muitas vezes levou-me a duvidar de minha sanidade. Estive à beira da consciência absoluta em outras. Algumas vezes estive trancado em gaiolas, como um animal selvagem. As drogas que eram ministradas diluíam minha consciência e alteravam minha percepção, transformando-me em um quase ser humano, quase animal.

Mas meu espírito era forte. Minha carne era sensível; eu não.

O que me repugnou antes até de tornar-me um doutor foi a vida mesquinha vivida em sociedade. Como tornar-se-iam tão hipócritas aos meus olhos tantas atitudes eu observava...

Na verdade, acho que devem ter feito mesmo um bom serviço à manutenção do bem comum quando fui atirado no pedaço de chão que coube a mim, trancado e esquecido pela sociedade.

Veneno e antídoto. O sanatório não tornou-se minha cura, precisasse eu ou não do tratamento integral e da assistência de qualidade devidos. O manicômio tornou-se meu mundo. E minha mente continuou a mentar, acho.

Tenho saudades dos livros do Drummond. Tenho sim. Não posso obtê-los porque não tenho renda. Não recebo visitas; poucos se importam com gente tida como louca. Penso que não tenho mais parentes. Penso, mas sem emoção. Não tenho pena deles, nem mesmo de mim.

Sei que tive minha liberdade cerceada, minha individualidade reduzida à mediocridade. Quero que isso pouco me importe. Só desejo ter a mente e o espírito livres, como tenho tido. Não consumo nem sou consumido. O que me é dado é muito menos que o devido, mas prefiro não notar a dívida, a diferença entre prometido e concedido. Estou não apenas à margem, mas à considerável distância do mundo real.

Espírito e mente livres são meu refrigério entre as paredes que confinam minha carcaça. Sim, carcaça, não corpo. Corpo eu tive até minha matéria ser espezinhada pelos infortúnios que a açoitaram. A liberdade do espírito e a possibilidade da racionalização plena só atingi aqui. O manicômio foi meu mais significativo aprendizado.

Sei reconhecer o dia da minha morte. Não creio que saberia precisá-lo antes de hoje, acho. Estou até certo de que nunca soube mesmo quando ou como chegaria minha morte. Mas hoje acordei confiante de que era o dia. Nenhum sentimento de comiseração e auto-compaixão aproveitou-se da minha certeza, fazendo-me melancólico. O fato de ter sido libertado de toda e qualquer forma de opressão da mente e do espírito impedia-me de perceber tais sentimentos.

Gostaria de ter uma arma. Poderia eu mesmo dar cabo à minha existência hoje? Sei que é o dia do meu fim, sinto. Imagino-a metálica, reluzindo seu brilho prateado, inspirando e transparecendo poder. Assim poderia livrar minha carcaça da vida esmaecida entre paredes. Introduziria o cano na boca, sentindo o peso material da arma e o impacto psicológico causado por tal percepção.

Droga. Na verdade, não seria tão bom assim ter uma arma. Talvez a possibilidade do suicídio seja interessante para alguém com mente e espírito aprisionados pela vida que se tem na sociedade de consumo do mundo moderno; não para mim, que os tenho libertados.

Mesmo que esfacelem minha carne, o espírito e a mente livres garantem minha satisfação em viver. Sou livre. A morte não representa liberdade, não para mim. Só representa privação do direito de viver.

Veneno e antídoto. Estou livre, mesmo enclausurado. A humanidade acredita ter liberdade de escolha, direito e acesso ao mercado de consumo e às possibilidades de desfrutar de bens ofertados. Mas não sabe que consumir é consumir-se. É prender-se ao encadeamento do mundo, como uma engrenagem substituível e desmerecida.

Estou aqui, livre. O meu antídoto foi o veneno que me foi concedido: o manicômio. Minha liberdade só adquiri preso, liberto da avidez do homem e da convivência hipócrita da vida em sociedade.

Vocês deveriam conhecer a camisa-de-força que fere minha carne, mas não aprisiona minha mente e espírito. Vocês deveriam conhecer para poder perceber as prisões em que cada um está encarcerado por viver em sociedade. Todos vocês. Cada um na sua própria camisa-de-força.

08-06-99 (Brasília - Distrito Federal)

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Uma nova ética para as relações internacionais

Ética nas relações internacionais? Só se for na Academia, locus por excelência das elocubrações de inspiração helênica. No resto do mundo, ou no mundo real, apenas propugnar a necessidade de uma nova ética para as relações internacionais é tão eficaz, em termos práticos, quanto pedir a Deus (ou a Alá) que israelenses parem de matar crianças palestinas na Faixa de Gaza.

Afinal, para além dos organismos internacionais, as verdades são nacionais, e não universais. E, como afirma Joseph Nye, Jr., "presidentes incapazes de defender seu povo não serão nunca bons governantes". Se o interesse nacional acaba sobrepujando os internacionais, como esperar relações éticas entre nações com interesses distintos e mutuamente excludentes?

É mais razoável aterrorizar a nação vizinha, ou mesmo distante, para lembrar seus governantes e cidadãos de que, antes de aspirações éticas, a supremacia bélica e seu poder simbólico de coerção têm prevalência. Thomas Hobbes é quem tinha razão: "o homem é o lobo do homem".

À humanidade contemporânea, ética não é mais do que um conceito, legado grego. Propugnar a necessidade de uma nova ética nas relações internacionais é tão inglório quanto esperar solucionar desavenças históricas entre nações eticamente. A menos que se esteja na Academia.

Lição de moral?

Acostumei-me a não estudar. Ainda muito novo, percebi que a média era coisa relativamente simples de ser obtida, e que eu poderia aproveitar melhor meu tempo longe da escola dormindo ou assistindo à televisão. Na quinta série do Ensino Fundamental - que tinha outro nome à época, claro - o sistema começou a ficar bruto. A matemática e sua insistência em ousar misturar números e letras, sofisticou ainda mais o diabo daquele "x". Dali pra frente, só complicou. E eu continuei sem estudar.

Cheguei ao Ensino Médio com algumas notas vermelhas e uma recuperação em matemática na 8ª série, no famigerado Colégio Municipal Marconi. Não que eu tivesse mérito para tanto. Afinal, em 1988, aos 10 anos, ao final da 4ª série, não tinha obtido sucesso no exame de admissão àquela escola. Quatro anos depois, subvertendo os princípios de moralidade e impessoalidade que devem caracterizar a Administração Pública, ainda assim mamãe conseguiu uma vaga pra mim, graças à influência de uma colega dela junto ao diretor do colégio.

No primeiro ano do Ensino Médio, ainda no Marconi, a coisa ficou feia de vez. Reprovei em matemática, química, física e biologia. Levamos cinco anos - eu e meu desinteresse - até concluí-lo no Setor Leste, no noturno. Melhor não comentar mais nada. Nem sobre o Vestibular. Muito menos sobre a UnB.

Resumo da ópera: nunca estudei. Pelo menos, até o dia em que desisti da iniciativa privada e me descobri cativo no mundo dos concursos, algo quase tão reflexivo quanto encontrar-se na caverna de Platão: cada um acorrentado à certeza e, ao mesmo tempo, à dúvida da possibilidade de aprovação, por mais que se estude. Resultado: hoje, à medida que escrevo, fico tentando analisar sintaticamente esses períodos.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Dia D

Faltam 11 dias para o Dia D. E tem gente que ainda não acredita no Doomsday: 27 de dezembro de 2012.

E que ninguém venha me dizer que eu não avisei.

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Mass media

The mass media is, currently, one of the most powerful and influential social institutions. Whilst information society demands more and more means of communication, mankind gets used to reading and watching the news without much criterion. Also, biased information has been massively broadcast, and quite often its consumers have not been aware of it.

The media has great influence over people's decisions, not only concerning advestisement and consumption. It also plays an important role when it comes to political agenda or religious propaganda. Therefore, the same journalistic fact may have biased and controversial versions.

When journalists cover a military conflict, for instance, they tend to highlight some facts and omit others. Frequently, instead of a personal decision, that is due to editorial interests. The recent conflict involving the Israeli and the Palestinians in the Gaza Strip showed that the media coverage may be influenced by political and governmental decisions. Especially due to the fact that journalists were barred from doing their job by the Israeli Army.

Therefore, whenever one reads or listens to the news, one must take into consideration that what is issued or transmitted has to fulfill commercial and political purposes, previously established. Thus, the truth one is told is not necessarily the truth.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Since immemorial time

Since immemorial time, mankind has seeked comfort, moving around a specific territory to achieve it. Nonetheless, centuries before the birth of Thomas Hobbes and La Boétie, with the appearance of the State, mankind agreed on the domination of all men by one man. From that time on, most attempts to get a more comfortable life have experienced social and political phenomena such as national boundaries, be them visible or invisible, and thus an effective limitation to human movement.

For centuries, mankind has been stopped from moving around by international legal institutions: passport, visa, nationality, and foreign affairs, for instance. Neither emigrating nor immigrating is a decision that can be merely made behind one’s free will. Seldom, both depend on previous agreements for that limitation or not.

On the other hand, despite legal limitations, one could say that, historically, men and women who suffered from starvation or political and religious persecutions, and decided to emigrate are amongst the founders of countries like the United States. Hence, leaving one’s homeland for a distant and unknown territory, be it forbidden or not, may seem legitimate from one’s point of view.

Although mankind has always been seeking comfort and, for that reason, able to look for it in a foreign country as well, the necessary allowance for doing so has been outstandingly limited for centuries now. Hobbes was quite right: “man is a wolf to man”.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Grande sorpresa e forte rammarico

Giorgio Napolitano, em carta ao Presidente Lula, demonstrou "stupore e rammarico" diante da decisão constitucional e soberana de conceder-se a Cesare Battisti a condição de refugiado político.

Mas o início da Era Obama ofusca o jus esperneandi italiano. Sorte de Battisti: "se torno in Italia mi ammazzano".

Nunca imaginei que poderia ser tão interessante ler o Corriere Della Sera.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

O "continuum" da mudança

À primeira vista, propugnar que a mudança é um continuum pode parecer absurdo. No entanto, o filósofo pré-socrático Heráclito de Éfeso defendia a impossibilidade de um homem se banhar duas vezes em um mesmo rio, já que nem o homem nem o rio seriam mais os mesmos. "Tudo muda o tempo todo no mundo"?

Foto: Martim Garcia

Na sociedade da informação em tempo real, o ritmo das mudanças é avassalador. Assiste-se a revoluções nos meios de comunicação. Em um ritmo menos frenético, mas socialmente relevante, criam-se redes de conhecimento e de promoção da inclusão digital. Essas mudanças em curso podem contribuir para minorar desigualdades históricas entre os homens.

Diz-se que o estudo da História é importante para não repetirmos os erros do passado: a barbárie do Nazismo e o Holocausto, por exemplo. Se o presente é tributário do passado, o futuro imbrica-se ao presente, encadeando fatos e mudanças à medida que estas acontecem.

Tal qual fênix, a humanidade tem o poder de reinventar-se, adaptando-se às mudanças ao mesmo tempo em que as provoca. Há de ser assim também no que concerne ao aquecimento global e às mudanças climáticas. A menos que queiramos substituir o continuum da mudança pela permanência do caos. "Tudo muda o tempo todo no mundo".

A caverna de cada um

O legado grego à humanidade é inquestionável. O mito da caverna é um bom exemplo. Criado por Platão, um aristocrata ateniense, trata-se de uma alegoria que, em última instância, descreve a própria sociedade de Atenas, quatro séculos antes de Cristo. É possível, todavia, imaginar que nós, cidadãos do terceiro milênio, vivemos ainda na tal caverna?

A democracia grega, sectária, fundava-se na escravidão e na coerção do homem pelo homem. Mais de dois mil anos depois, a consolidação dos direitos humanos garante a igualdade formal entre os homens. No entanto, o livre-arbítrio continua limitado por campos de possibilidades: contingências materiais e simbólicas.

Absorto em sua rotina, cada um percebe-se mais ou menos circunscrito a uma realidade limitada, sobretudo, por determinantes alheios à sua vontade. Cada um em sua caverna, acostumamo-nos a assistir à televisão como se, a partir dela, contemplássemos o real.

Essa caverna, tal qual uma camisa-de-força, cerceia, aprisiona, amedronta, ilude. Assim, cada um permanece na condição alegórica de aprisionado, sobretudo quando alheio à tal condição.

sábado, 17 de janeiro de 2009

A Itália fascistóide e a quinta coluna

Cesare Battisti deve ser libertado nos próximos dias. O Ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, aguarda parecer para determinar a libertação do italiano, condenado por crimes políticos em um julgamento viciado, na Itália.

A decisão do Estado brasileiro de conceder ao italiano a condição de refugiado político é constitucional. Por isso, legítima, soberana e inconteste. Mesmo assim, assistimos à Itália fascistóide de Silvio Berlusconi lançar mão do jus esperneandi - o direito de espernear.

No Brasil, à dita "grande mídia" interessa tão-somente o fato jornalístico. Apurar ou depurar verdades é coisa de jornalista da velha guarda. Hoje em dia, qualquer imbecil se diz jornalista porque é um urubu de diploma. E como as redações Brasil afora estão cheias deles, publicam primeiro e desculpam-se depois, se for o caso. Assim como o PM que dá coronhada na cabeça do torcedor de costas e, depois, alega que não teve intenção de matá-lo com o disparo acidental.

Adivinha, então, de que lado está a grande imprensa brasileira. Daqui a pouco tem brasileiros saindo às ruas, quem sabe os leitores de Diogo Mainardi e Olavo de Carvalho, incitados pelas verdades jornalísticas propaladas, exigindo a extradição de Battisti. Afinal, ele não matou quatro pessoas na Itália?

Em 2009, a quinta coluna alimenta o medo vermelho. Talvez antevendo como inevitável a vitória de Dilma Rousseff no ano que vem, ao menos no primeiro turno; principalmente agora que ela mudou o corte de cabelo e colocou lentes de contato.

Antes e depois - Sérgio Lima e Jorge Araújo/Folha

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

The importance of Obama's election

The United States of America has faced changes over the past few months. Aside from the American financial crisis, whose effects are expected to have tremendous impact on the real economy worldwide, the election of Barack Obama is also greatly remarkable. On the 4th of November, he defeated the Republican senator John McCain and became the first African-American President-Elect.

In comparison to George W. Bush’s administration, the Democrat President-Elect also represents the possibility of changes. Bush has made all his efforts in order to accomplish his goals: defeating his enemies abroad. Therefore, the severe downturn America has been into proves his incompetence, especially when tackling non-aggressive issues.

Since the United States is a country in which the memories of racial segregation remain alive, the election of Barack Obama has made the ideals of Martin Luther King, Jr come true. In fact, Americans voted for Obama not because of the colour of his skin, but due to the fact they believed changes were possible and necessary.

The importance of Obama’s election will become even more remarkable when he takes office on January 20th, 2009. His great challenge will be managing to bail the American economy out of the crisis. Will the United States still be the most powerful nation and the greatest economy in the world by the end of his first term? Only time will tell.


Para quem tem problema crônico com a matemática, sugiro o Kumon e seus bloquinhos...

O segredo da dissertação argumentativa

Em concursos públicos, quando o edital limita a dissertação argumentativa a 30 linhas, o segredo é escrever 4 parágrafos, com 3 frases em cada. Introdução, dois argumentos, um em cada parágrafo do desenvolvimento, e a conclusão: paráfrase da introdução.

Aliás, comece a redação pela conclusão, para não fugir ao tema. Escolha as palavras com o mesmo esmero que se deve escolher marido, mulher ou congêneres.

Torça pro examinador ser isento o suficiente para não te foder simplesmente por não concordar com você e sua polêmica. E reze para fazer pontos suficientes na prova objetiva para ter sua dissertação corrigida.


quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Raposa Serra do Sol - For or against continuous delimitation

The current Federal Constitution (FC) guarantees to native inhabitants of Brazil the immemorial right to territorial possession, provided that it is technically proved that their physical and cultural subsistence depends on specific piece of land. However, the political issue involving the Indigenous Territory of Raposa Serra do Sol has confirmed reality is far more complex than what may be legally predicted.

Raposa Serra do Sol is a huge Indigenous Territory (IT) in the state of Roraima. Presumably due to the fact there are towns and electors in the IT, several ethnical groups, politicians and rice producers have controversial economical interests concerning its continuous delimitation. The decision on whether or not its delimitation must be continuous has been under Supreme Court’s analysis for months now.

As a matter of fact, article 231 (FC) and infra-constitutional laws which regulate the process of regularisation of indigeous territories state that any non-indigenous inhabitants must be removed from the IT, and rewarded accordingly, by the Union, for any goods or buildings. By the way, the continuous delimitation of Raposa Serra do Sol implies no loss of sovereignty, due to the fact it will remain as Union’s property, as well as any other IT.

Indigenous peoples, non-indigenous inhabitants and, especially, rice producers must respect the Supreme Court’s coming decision. Eventually, it will be definitely a constitutional resolution, no matter it seems legitimate or not.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Cesare Battisti é um homem livre!

O Ministro de Estado da Justiça, Tarso Genro, concedeu a condição de refugiado político ao italiano Cesare Battisti, contrariando os interesses fascistóides da Itália de Silvio Berlusconi e a decisão prévia e equivocada do CONARE. "Se torno in Italia mi ammazzano", Cesare Battisti havia dito em entrevista ao jornal italiano Corriere Della Sera.

Ontem, dia 13 de janeiro de 2009, Tarso Genro selou seu destino: diferentemente de Getúlio Vargas, ditador que entregou Olga Benario Prestes, judia alemã e comunista, a Adolf Hitler e às agruras do nazismo durante a Segunda Guerra Mundial.

Sua via crúcis acabou, Battisti.

RAMMARICO DELLA FARNESINA - «Da parte italiana si esprime viva sorpresa e forte rammarico per la decisione assunta dal Ministro della Giustizia brasiliano che, ribaltando quanto stabilito dal Comitato nazionale per i rifugiati, ha accolto il ricorso di Cesare Battisti, un terrorista responsabile di gravissimi delitti che nulla hanno a che fare con lo status di rifugiato politico». È quanto si legge in una nota della Farnesina. «Nell'esprimere apprezzamento per la decisione adottata a fine novembre scorso dal Comitato che aveva negato, nell'ambito delle sue competenze, il riconoscimento dello status di rifugiato al terrorista Battisti -continua la nota- l'Italia rivolge un appello al Presidente Lula da Silva perché vengano esperite tutte le iniziative che possano promuovere, nel quadro della cooperazione giudiziaria internazionale nella lotta contro il terrorismo, una revisione della decisione giudiziaria adottata». «Ciò vale a maggior ragione in un momento in cui i Paesi del G8 e quanti con essi hanno un rapporto di intensa collaborazione, come il Brasile, saranno chiamati a confermare un impegno solenne e a promuovere azioni sempre più efficaci per sconfiggere il terrorismo internazionale», conclude la nota.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Is Brazil doing its part to mitigate global warming?

One may claim media has relegated global warming recently. Since the de facto nationalisation of the banking system in virtually the entire Western industrialised world, it seems that coping with the current crisis of capitalism is all that matters.

In Brazil, rising levels of deforestation indicate not only inefficient environmental policies yet established, but also that Brazilian government has rather important or urgent issues, such as the immediate financial and economic ones. Who cares about climate change and global warming when the world goes bankrupt?

Twenty years ago, one of the greatest Brazilian heroes was murdered for defending the idea that the Amazon rainforest was worth more alive than dead. Currently, Chico Mendes would have much to teach worldwide investors and financial speculators about sustainable development, but was shot dead two decades before. Even though, no one has remembered him nor the anniversary of this death, occured on the 22nd of December, 1988.

Undoubtedly, the current crisis of capitalism, as the greed-is-good mantra of the free-market capitulates, has made the mitigation of economic and financial problems more urgent than saving trees. One may say Brazil will regret having let deforestation go so far. Maybe too late.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Future is now

The greed-is-good mantra of the free-market's capitulation to the de facto nationalisation of the banking system in virtually the entire Western industrialised world is at the core of the worst economic crisis of capitalism since Great Depression. What might one expect from now on?

In a country founded on African slavery, the ascension of an African American to the White House is historic. Nevertheless, no one should expect that positive social, political and economic changes will come from Barack Obama without pressure for them.

On the other hand, climate change and global warming have contributed to food price inflation all over the globe. Starvation may be a chaotic scenario, but it is more and more likely. Meanwhile, farming is still subsidised in most developed countries, what makes fair trade infeasible.

In spite of Israeli invasion of the Gaza Strip and Obama's administration's approach to it, just breaking the stifling conservative orthodoxy of George W. Bush's era would make liberalism a more viable ideological alternative for the ones who want to see real change.

by khalil@bendib.com

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Antissocial, eu?

Há alguns anos, tentei defender pelo ICQ, conversando com uma linguista russa, a ideia de que a palavra "saudade" não tinha paralelo em outros idiomas. Afinal, cresci ouvindo isso de professores de português e outras pessoas que, talvez, sabiam mais do que eu.

Eis que, então, entra em vigência em 1º de janeiro de 2009 um novo acordo ortográfico entre os países lusófonos. Puta que pariu, quem precisava disso? Aposto que os portugueses, puristas, prefeririam o acto de preservar acentos, hífens e tremas ao ato de defenestrá-los da "última flor do Lácio". E quem mais fala português no mundo?

Ah, pára. Nós, do Brasil, falamos brasileiro, é quase certo. Há alguns africanos. E ponto final. Mas depois de dois séculos de abolição da escravidão no Brasil, a África é um bom espaço para o proselitismo e o multilateralismo da política externa lulista. E mais nada.

Se não falamos nem escrevemos o português dos portugueses nem dos africanos, por que diabos um acordo ortográfico? Tal qual os estadunidenses e os britânicos, nós, falantes de português, somos também separados por um idioma. Quem pensa diferente está fazendo proselitismo.

Que saudade dos meus tempos de Ensino Fundamental! Depois de alfabetizado, percebia os vícios ortográficos das pessoas mais velhas que eu, cuja alfabetização teria ocorrido antes da última reforma. Agora é minha vez.

Quanto à amiga moscovita, ela lembrou-se da palavra russa "носталгиа" (nostalgia), e eu não consegui convencê-la de que saudade era outra coisa.